Ralis

Sorte madrasta em Mesão Frio: Fábio Santos e Ricardo Sismeiro vivem rali “negro”

2.9kvisualizações

A dupla leiriense enfrentou nas Portas do Douro uma espécie de versão motorsport da chamada Lei de Murphy: “tudo o que puder dar errado dará”. De um princípio de incendio a fortes penalizações, de tudo um pouco aconteceu à equipa Prototype FS Racing Team, numa prova malfada.

A dupla do Citroen Saxo chega a Mesão Frio muito motivada pela liderança dos Desafios Kumho Centro e Asfalto e cheia de vontade de brilhar na sua estreia nas difíceis estradas do Douro Vinhateiro. Em busca de uma resultado que lhes permitisse manter as lideranças das duas competições, Fábio Santos e Ricardo Sismeiro partiram para a curta seção inicial, na noite de sábado, com o propósito de rodar forte e, na única especial realizada, perceber em que fasquia colocavam o seu andamento, perante a forte concorrência dos pilotos nortenhos, a que se juntava a presença da maior parte dos pilotos que, normalmente, são adversários no Centro.

E foi aí que a tal dita Lei de Murphy decidiu aparecer e em força. Conta-nos o piloto que “enfrentamos uma série de azares. Penalizamos fortemente mesmo antes de partir para a especial, por termos tido um lapso que nos forçou a partir fora da nossa hora e, como se isto já não bastasse, mais a menos a meio da classificativa, perdemos potência e tivemos de baixar o ritmo para conseguir terminar, tendo, mesmo assim, realizado um tempo até satisfatório. Logo a seguir o carro sofreu um princípio de incêndio e ficamos perante a forte possibilidade de ter de abandonar o rali logo ali.”

Mas o espírito guerreiro que preside à equipa não lhes permitia deitar, desde logo, a toalha ao chão. E iniciaram o que acabaria por ser a “longa noite” para tentarem colocar o Citroen Saxo em condições para poder arrancar no segundo dia, já em modo “Rallye 2”.

Ricardo Sismeiro, navegador e Team manager, relembra a verdadeira saga que “todos vivemos, principalmente a nossa equipa técnica. O António, pai do Fábio, o seu primo Fernando, que foi em tempos engenheiro da Citroen Sport e o seu amigo Rui, que têm sido sempre incríveis, desta feita levaram o seu esforço e o seu talento a um nível ainda mais alto. Respiramos fundo. Estávamos a 25º quilómetros de casa, muito longe da nossa base, mas a equipa foi fantástica”. Com todos a trabalhar a toda a velocidade, o responsável lembra que “eu e o Fábio tentamos descansar um pouco, enquanto a equipa trabalhava, sempre atentos ao que fosse preciso”.

E é aqui que se vê o excelente ambiente que se vive nos ralis. Fábio Santos destaca “o apoio e a amizade de outros pilotos, concorrentes diretos, que tudo fizeram para que não desistíssemos. Queremos agradecer ao Pedro Silva, ao pedro Santos, ao Nuno Serôdio, entre outros, pela solidariedade e pelo material que nos cederam. Foram grandes!”. Paralelamente, coube ao navegador e team manager fazer duas viagens a Amarante, para adquirir novos extintores, depois e viver a aventura de “a altas horas da noite tentar encontrar quem e onde teria esse material, mas tudo se compôs!”. Carro colocado em parque fechado e a equipa tentou repousar o máximo.

O 2º dia erguia-se com a dupla a saber que, como diz Fábio Santos, nada havia a fazer “quanto a uma boa classificação, mercê dos 19 minutos de penalização, mas queríamos encarar este dia como um longo teste em prova, quanto à nossa competitividade. E correu tudo muito bem. Gerimos quando tínhamos que gerir, atacamos quando tínhamos que atacar, assinamos excelentes tempos e provamos que estávamos capacitados por lutar pelos lugares cimeiros. Adoramos as classificativas e a sua dificuldade técnica e a forma como, num único troço, alternávamos zonas rápidas, de coração, com zonas muito técnicas, permitiu-nos também perceber o que temos de melhorar no carro para que o comportamento venha a ser muito mais eficaz”.

Piloto e navegador destacam ainda que, como diz Ricardo Sismeiro, este Rali de Mesão Frio é “fantástico. Estradas incríveis, paisagens deslumbrantes. Esta estreia foi negra, mas queremos voltar em 2021!”

No fecho, a dupla quedou-se pelo 17º lugar na Divisão 2 do Desafio Kumho, resultado modesto, mas quem em nada mancha a exibição e em nada hipoteca as possibilidades de chegarem aos dois títulos em jogo.

Deixe uma resposta