+ Motores

Euro RX3: João Ribeiro e Nuno Araújo sem sorte na Noruega

569visualizações

Um toque na Meia-Final 1, durante a discussão da melhor posição para abordar a primeira curva, prejudicou largamente as aspirações de João Ribeiro e Nuno Araújo, que se viram arredados do acesso à corrida decisiva.

Foi um fim-de-semana agridoce para as cores lusitanas na “batalha” do Euro RX3 inclusa no Ramudden World RX of Norway, que se disputou no Circuito de Hell, perto da cidade de Trondheim.

Se por um lado João Ribeiro e Nuno Araújo demonstraram andamentos dentro do que eram as expectativas relativas a cada um, por outro, faltou sempre uma ponta de sorte em momentos decisivos.

João Ribeiro, segundo no campeonato após as duas rondas, não foi além do 8º melhor registo nos treinos cronometrados, logo à gente de Nuno Araújo, que se quedou pelo 9º posto, Mas, o paredense do Audi A1 S1600 subiu rapidamente de rendimento. Foi 5º na 1ª Manga de Qualificação, 6º na segunda e, já no domingo, voltou a ser 6º na Q3, mas sempre revelando andamento capaz de se chegar mais à frente.

Quanto a Nuno Araújo, foi muito consistente nas mangas de qualificação, sendo 8º nas três realizadas, deixando logo aí a sensação de que poderia almejar melhor, tal a intensidade que colocou na condução do Audi A1 S1600 da Volland Racing.

Por caprichos do escalonamento e cumprida que foi a chamada corrida de progressão, ambos alinharam, lado a lado, na 1ª Meia-Final. E aqui, a sorte foi mesmo para outras paragens.

O arranque a cinco foi, como é sempre nestas lides do Europeu, taco-a-taco, com João Ribeiro e Nuno Araújo, juntamente com o norueguês Espen Isaksætre (Peugeot 208) a chegarem à travagem para a primeira curva à direita literalmente colados a discutirem a 2ª posição, enquanto Kobe Pauwells, que largou da “pole”, assumia o comando.

Um toque do Peugeot na traseira do Audi de Powells provocou uma reação em cadeia, pois o carro francês de Isaksætre tocou no Audi A1 de João Ribeiro e fez o paredense quase capotar, andando largos metros em duas rodas e, involuntariamente, acabar por dar um toque no tejadilho do carro de Nuno Araújo, a quem nada mais restou do que sair da trajetória normal e, tentando reduzir o dano desportivo à sua corrida, ir logo para a “joker lap”, mesmo apresentando bastantes “estragos” no Audi A1, que se refletiram em alguma dificuldade para tomar um andamento forte, quedando-se pelo quinto lugar na corrida.

Logo após o incidente, João Ribeiro foi em “busca do prejuízo” e forçou o andamento de uma forma muito intensa, terminando as cinco voltas na terceira posição, mas, por escaças décimas de segundo, sem conseguir garantir o acesso à final, desiderato que acontece pela primeira vez na época ao piloto de Paredes.

No fecho, Ribeiro garantiu o 6º lugar na classificação e os pontos suficientes para manter a  2ª posição no campeonato, agora ex-equo com o polaco Damian Litwinowicz (Audi A1), ficando a 20 pontos do jovem belga Kobe Pauwells, que venceu e convenceu nesta tirada norueguesa, conquistando a segunda vitória do ano para as cores da Volland Racing.

Nuno Araújo garantiu o terceiro Top 10 desta sua época de estreia, ao concluir na 9ª posição da geral final, que lhe permitiu manter o mesmo 9º posto na tabela pontual do campeonato, com 21 pontos, agora empatado curiosamente com Espen Isaksætre, mas com reais possibilidades de subir na tabela, pois separam-no escassos 9 pontos do quarto classificado.

A próxima prova do Euro RX3 será especial para João Ribeiro e Nuno Araújo. Disputar-se-á em Portugal, no Circuito Internacional de Montalegre , que recebe, nos dias 17 e 18 de setembro, o Lusorecursos WorldRX of Portugal.

Deixe uma resposta