Ralis

Desafio Kumho em Mesão Frio: Hélder Miranda triunfa após duelo aceso na Div. 2. Gaspar Pinto venceu na 1.

1.9kvisualizações

Foi impróprio para cardíacos. No final de mais de 62 quilómetros contra o cronómetro, um ténue décimo de segundo separou primeiro e segundo na Divisão 2 do Desafio Kumho Portugal. Destaque ainda para as 23 equipas que, em Mesão Frio, tornaram bem forte a “armada” Kumho.

O 9º Rali de Mesão Frio assinalou o regresso a norte da edição 2020 do Desafio Kumho Portugal. Num ano em que tem sido tremendo o esforço para construir um calendário robusto, mercê dos efeitos do surto pandémico, a ASR Tyres decidiu fazer com que o rali nas Portas do Douro contasse para 3 competições: Desafio Kumho Asfalto, Norte e Centro. Essa tripla proposta tornou o rali muito atrativo e as equipas aderiram em força, estando 23 presentes na prova, permitindo uma interessante luta entre equipas que normalmente só competem no Norte e outras que colocam o foco no Centro.

Em termos competitivos, este foi um rali que fica para os anais. 1 décimo de segundo. Eis a “magra” diferença que ditou lei na atribuição da vitória na Divisão 2 Kumho. Protagonistas deste “duelo de pistoleiros” foram as duplas Hélder Miranda/Rui Teixeira (Seat Ibiza) e Pedro M. Serôdio/Hugo Marques (Citroen Saxo). Protagonizaram uma luta sem tréguas e chegaram ao fim empatadas no que concerne às vitórias em classificativas: 4 para cada lado.

Serôdio e Marques entraram a vencer na especial noturna, enquanto Miranda e Teixeira eram autores do 6º tempo. A equipa do Seat Ibiza aumentaria o andamento de forma intensa na jornada de domingo, saindo vencer das PEC nº 2, 4, 6 e 7, tendo pelo meio, chegando finalmente à liderança nesta 3ª passagem por barqueiros, de onde as duas duplas saíram separadas por 2,2 segundos.

Ficava tudo para ser resolvido nos 5,51 kms da única passagem por Oliveira, 8ª e última especial da prova. Foi Serôdio a vencer, mas recuperando apenas 2,1 segundos, quedando-se assim pelo 2º lugar, a 1décimo de segundo da vitória.

Um duelo épico, que permitiu ainda às duas equipas serem 6ª e 7ª, respetivamente, na geral, numa prova emocionante entre os Kumho!

No 3º lugar terminariam Miguel Teixeira e Vítor Pereira, a 26,8 segundos da frente. Os dois continuam a maravilhar com o recital de condução que dão com o seu BMW E30. O 4º posto foi recompensa para o andamento de Miguel Carvalho e António Freis, num Peugeot 206 Gti.

Entre as equipas “centristas”, o destaque vai para a dupla Pedro Santos/Bia Pinto (Peugeot 206 RC) que, ao garantir o 5º lugar, chegaram finalmente a um resultado positivo, afastando os azares que os tem condicionado na época. Capela Morais e António Vieira colocaram o Skoda Fabia RS Tdi em 7º, sendo seguidos na classificação pela dupla Francisco Azevedo/Nuno Ferreira, sempre senhores de um andamento incrível no “velho” Peugeot 205. O Top 10 desta divisão ficou completo com a presença no 9º lugar de Pedro Silva/Nuno R. Silva (Peugeot 206 Gti), enquanto o 10º posto foi assegurado por Pedro Lopes e Duarte Gouveia, num 207 Gti da marca francesa.

Um duelo épico, que permitiu ainda às duas equipas serem 6ª e 7ª, respetivamente, na geral, numa prova emocionante entre os Kumho!

No 3º lugar terminariam Miguel Teixeira e Vítor Pereira, a 26,8 segundos da frente. Os dois continuam a maravilhar com o recital de condução que dão com o seu BMW E30. O 4º posto foi recompensa para o andamento de Miguel Carvalho e António Freis, num Peugeot 206 Gti.

Entre as equipas “centristas”, o destaque vai para a dupla Pedro Santos/Bia Pinto (Peugeot 206 RC) que, ao garantir o 5º lugar, chegaram finalmente a um resultado positivo, afastando os azares que os tem condicionado na época. Capela Morais e António Vieira colocaram o Skoda Fabia RS Tdi em 6º, sendo seguidos na classificação pela dupla Francisco Azevedo/Nuno Ferreira, sempre senhores de um andamento incrível no “velho” Peugeot 205. Frederico Monteiro e Paulo Santos vieram de Leiria com o seu habitual 206 Gti para conquistarem o lugar 8 na tabela da Divisão Kumho 2.

O Top 10 desta divisão ficou completo com a presença no 9º lugar de Pedro Silva/Nuno R. Silva (Peugeot 206 Gti), enquanto o 10º posto foi assegurado por Pedro Lopes e Duarte Gouveia, num 207 Gti da marca francesa.

Entre as equipas “centristas”, o destaque vai para a dupla Pedro Santos/Bia Pinto (Peugeot 206 RC) que, ao garantir o 5º lugar, chegaram finalmente a um resultado positivo, afastando os azares que os tem condicionado na época. Capela Morais e António Vieira colocaram o Skoda Fabia RS Tdi em 7º, sendo seguidos na classificação pela dupla Francisco Azevedo/Nuno Ferreira, sempre senhores de um andamento incrível no “velho” Peugeot 205. O Top 10 desta divisão ficou completo com a presença no 9º lugar de Pedro Silva/Nuno R. Silva (Peugeot 206 Gti), enquanto o 10º posto foi assegurado por Pedro Lopes e Duarte Gouveia, num 207 Gti da marca francesa.

Mais 7 equipas da Divisão 2 lograram concluir esta prova desafiante que se transformou-se num pesadelo maior para a dupla que aqui chegava no comando da geral dos Desafios Kumho Asfalto e Terra.

Fábio Santos e Ricardo Sismeiro enfrentaram um princípio de incêndio, logo na primeira especial, que os levou a desistir e a voltar em modo “Rally 2” e foram ainda alvo de penalizações que, somadas, totalizaram 19 minutos. Um rali para esquecer embora, mesmo com todas as agruras, lograram terminar em 17º.

Quanto às contas da Divisão 1, a dupla Gaspar Pinto/Bernardo Gusmão protagonizou uma corrida solitária, na ausência dos outros habituais intervenientes. Nem essa condição os deteve de demonstrar sempre toda a sua tradicional rapidez e à lógica vitória para o Desafio Kumho Portugal, juntaram ainda um excelente 8º lugar à geral no rali, voltando assim a estar em destaque e a amealhar muitos pontos para o campeonato.

A Armada Kumho volta ao serviço dentro de aproximadamente duas semanas. Será no rali Alto Tâmega e contará para os Desafios Kumho Asfalto e Norte.

Deixe uma resposta